Blog É preciso aguardar o final do processo mas gravação de crime é mão na massa, e a fama desse deputado – Roberto Nicolau – atual presidente da ALE-AM. No bairro Parque das Laranjeiras-Manaus, esse fato é voz corrente , e como  bem sabemos que nestes casos a voz do povo constuma mesmo ser voz de Deus, no sentido de verdadeira, a coisa cheira mesmo a cassação.

Em muitos Estados e Municípios eleitos têm sido cassados por comprar votos. Em Rondônia, o atual líder do PDT-RO, Acir Gurgacz, assumiu depois de ocmprovada a compra de 900 votos pelo ex-senador Expedito Júnior. E este blog, mercê desta notícia e por seu princípio, toma já uma decisão radical: Conforme o dinheiro que dispuser durante as próximas campanhas, farei m concurso propondo que “todo eleitor que conseguir gravar uma proposta de compra de votos, receberá um prêmio financeiro”. Poderá então ganhar licitamente o que lhe é oferecido criminalmente, e ainda ajudar a limpar nossas cidades de vereadores e prefeitos podres.

Se os japoneses desenvolveram uma economia monumental baseada nas fotos que seus turistas tiraram do mundo inteiro nos anos 60 e 70, o Brasil inteiro poderá lucrar com gravações deste crime que incontáveis candidatos, principalmente os mais abastados, praticam durante as eleições tentando se eleger desonestamente.

E quem não quiser prêmio, será incentivado a fazer isso por pura cidadania e civismo, porque quem compra voto, já entregou sua alma ao diabo, pai da mentira e da corrupção, vendendo sua independência para as empresas que lhes dão dinheiro para tal fim porque precisam de deputados como lobistas, ou melhor, loboistas, rs.

Preparemos as câmaras, 2012 tem eleições.

A MATÉRIA

Justiça Eleitoral aceita ação penal contra o presidente da Assembleia Legislativa

Por unanimidade, o Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM) aceitou ontem a ação penal contra o presidente da Assembleia Legislativa do Estado (Aleam), Ricardo Nicolau (PRP), denunciado pelo Ministério Público Eleitoral (MPE) por captação ilícita de votos. A ação também envolve o pai e o irmão do parlamentar: o ex-deputado Luiz Fernando Nicolau e o  sócio majoritário do Hospital Samel Luiz Alberto Nicolau, respectivamente.

O relator do processo, o juiz Victor Liuzzi, seguiu o parecer do MPE e  pediu que o tribunal acatasse a denúncia para dar início à investigação.

Os pareceres do magristrado e do procurador eleitoral Edmilson Barreiros são baseados nos relatos de três testemunhas. Em 2006, um casal afirmou, em inquérito policial, ter recebido a visita de pessoas que ofereciam consultas médicas gratuitas na Sociedade Pró-Saúde do Amazonas. Segundo o casal, as pessoas  trajavam camisas com as imagens de Ricardo e Luiz Fernando Nicolau – na época candidatos a deputados-, que deixaram claro que a instituíção pertencia à família Nicolau e  distribuíram santinhos e pediram votos a ambos os candidatos. Para ganharem o benefício do atendimento médico, relatou o casal, eles ainda deveriam apresentar documento de identidade, CPF e título de eleitor.

Em 2010, nova denúncia. Outra testemunha disse que durante o período eleitoral recebeu oferta de plano de saúde completo na entidade ligada à família Nicolau. O homem gravou a abordagem com o celular e o vídeo está entre as provas apresentadas pelo MPE.

Durante o julgamento, a defesa da família Nicolau disse que as denúncias oferecidas pelo MPE eram irregulares, mas o argumento foi derrubado tanto pela relatoria quanto pela procuradoria.

Para o relator, a ação promovida pelo Ministério Público cumpre todos os requisitos para ser aceita pela Justiça Eleitoral. “A denúncia não contém qualquer vício, por isso esta petição não pode ser considerada inapta”.

As acusações são baseadas no Artigo 299, da Lei 4.737, de 1965, que considera crime eleitoral o ato de dar ou oferecer vantagem para obter voto.

Conforme Barreiros, com a abertura de inquérito,  o TRE-AM vai ouvir todas as testemunhas novamente. Conforme a legislação eleitoral, se considerados culpados, os três acusados podem ficar presos por até quatro anos.

http://www.d24am.com/noticias/politica/justica-eleitoral-aceita-acao-penal-contra-o-presidente-da-assembleia-legislativa/31917