“É o frescor do Evangelho transmitido pelo papa o que atrai tanta gente com tanta intensidade”

 “Fenômeno Francisco” é a expressão que virou moda entre os especialistas de mídia para se referir à incrível popularidade do papa. Em artigo no Huffington Post, o rabino Eric Yoffie opina que “a América está com fome de Deus, fome de liderança moral e fome de modelos positivos. O papa Francisco está ajudando a saciar essa fome”.

Yoffie aborda especificamente o mal-estar espiritual que acomete os Estados Unidos. Dúvidas sobre o futuro do país, cinismo político e aparente colapso da religião organizada: tudo aponta para um futuro sombrio, sem esperança nem fé. Mas eis que surge o papa Francisco.

Yoffie destaca:

 

“O papa não conta apenas com a aprovação de quase 90% dos católicos norte-americanos, como também com a visão favorável de cerca de 75% de todos os norte-americanos [católicos ou não]. Nos primeiros dias do pontificado, o interesse e entusiasmo podia ser entendido como coisa gerada pela mídia, mas, dez meses depois, fica claro que existe algo mais. O que poderia explicar o carinho e o respeito em torno deste homem, que é a figura suprema do ‘establishment’ religioso, o chefe da maior burocracia religiosa do mundo?”, pergunta o rabino.


Eric Yoffie tem razão quando afirma que o fenômeno Francisco é mais do que o encanto dos esquerdistas com o que eles consideram a “guinada católica a favor deles mesmos”. Também não se trata apenas do “frescor do estilo” do papa Francisco. Algo mais profundo está acontecendo. Que multidões são essas que ele vem atraindo? Yoffie opina:

 

“O que essas pessoas veem, eu acho, é a profunda autenticidade daliderança dele. Famintos por modelos e desesperados por figuras de autoridade com valores credíveis e com um centro moral verdadeiro, os norte-americanos se sentem atraídos pelo papa Francisco por sentirem que ele fala com base em princípios e vive de verdade os valores que ensina. E não é só isso: ele irradia compaixão e humildade, além de respeito por quem é diferente na nossa família humana. O resultado é que, para os norte-americanos, ele gera esperança na escuridão e no pântano da vida cotidiana, mantendo-nos no rumo da humanidade apesar dos tempos difíceis”.


Eu concordo com a avaliação do rabino, mas acho que há mais a destacar. O papa Francisco parece ter nos levado a Cristo “para além do catolicismo”. O que eu quero dizer com isso é que ele abriu os nossos olhos para o carisma e para a pessoa do próprio Jesus Cristo. Através de Francisco, nós podemos ver o homem de Nazaré que cura os doentes, acolhe as crianças, perdoa o pecador e vive com a simplicidade, a naturalidade e a liberdade que vêm da santidade genuína. E Jesus não era só doçura: Ele falou com dureza para os hipócritas, para os apegados à riqueza, para os de coração duro. E Francisco faz a mesma coisa.

 

Fonte: Aleteia