Análise do Blog – Li anos atrás um excelente livro de um filósofo italiano (não me recordo os nomes, nem dele nem do  livro, talvez por ser em espanhol), no qual um dos temas abordados com profundidade revelava os 6 temas comuns a todo ser humano, e um deles tratava da realidade universal de que todos nós temos algo que gostaríamos que fosse diferente em nosso corpo.

 

O livro fundamenta muito bem que isso não é nada grave, faz parte de nossas limitações sempre humanas. Agora, quando 33% da juventude de uma nação (ou seria do planeta?) considera feio seu corpo, temos então uma verdadeira epidemia, ainda que psicológica ou psicossomática.

 

Jovens que odeiam o corpo criam tribos (com brincos, piercings, cabelos aloprados, etc), ou, pior, compensam este baixo astral com revolta latente e drogas. E estas tendem a dominar as pessoas embora, no início, principalmente os jovens sempre pensam que as dominarão, usaram somente como bem querem e enquanto o desejarem. Mas, comprovam as estatísticas, isto é um Ledo engano, ao final isso gera um resultado trágico em todo país, principalmente no ocidente, já que entre os muçulmanos bebidas e drogas são praticamente banidas. O melhor para todos seria seguir um princípio de São João Bosco, um dos maiores educadores de todos os tempos: “os vícios que adquirimos na juventude, nos perseguem por toda a vida”.


Pegando o gancho do santo católico, relembro que a maior compensação de nossas fraquezas, que de fato muda-nos interiormente para sermos muito mais do que humanamente somos, é a fé. Fé que gerou na Igreja, só entre os canonizados quase 30 mil homens e mulheres, cujas biografias são, cada uma mais bela que a outra, e todos eles, independente do corpo alto ou baixo, forte ou fraco, da cultura ampla ou limitada, da beleza ou feiura, foram gigantes em caráter, obras e exemplo de felicidade e realização. Mas eu, que  faço minha caminhada matinal das Pedrinhas até a catedral, para exercitar e ao mesmo tempo rezar e adorar a Deus, vejo quase diariamente que entra 20 vezes mais gente na Academia Mahatma, ali ao lado, do que na Igreja.


E por experiência própria sei que quem dedica uma hora no cuidado com o corpo, mas não dedica nem a metade desse tempo ao seu espírito, vai estar sempre insatisfeito com o corpo; cheio de frivolidades na mente, satisfeito com o vã hedonismo que lhe tomará muito tempo na troca de prazeres fugazes, e o fará aberto às seitas de respostas prontas, mas a “vida em abundância” que elimina toda insegurança, enche de sentido o seu cotidiano até o último suspiro, exige uma outra academia, grátis, mas que te motiva a bater o joelho no chão todo dia, e perdoar toda e qualquer pessoa, agora, daqui a pouco e sempre.

 

Isso se consegue na academia de santos, ao lado da Mahatma, onde nesse horário que vou, às 6.30h da matina,o silêncio é cósmico, quase fúnebre, deliciosamente introspectivo, meia dúzia de fiéis e nosso Deus, enquanto na outra academia, de musculação, dezenas de pessoas suportam uma música tão alta que na primeira vez pensei ser uma boite vizinha que tivesse amanhecido o dia cheia. É claro que respeito gostos e objetivos de cada um, mas não sei como alguém normal consegue começar o dia com uma agitação e som tão exagerados. E olhe que a maioria não é jovem! Tudo em nome da moda? Tô fora.

 

 

A MATÉRIA – Políticos britânicos querem que escolas ensinem alunos a gostar do corpo

Atualizado em  30 de maio, 2012 – 06:11 (Brasília) 09:11 GMT

Modelos em semana de moda: mídia estaria propagando ideais inatingíveis para 95% das pessoas

Deputados britânicos propuseram a introdução de aulas de imagem e expressão corporal nas escolas para combater o problema da crescente insatisfação com o corpo no país.

O grupo All Party Parlamentary, que reúne parlamentares de todos as agremiações políticas, fez a recomendação após conduzir estudo no qual constatou que duas em cada três pessoas no Reino Unido não está feliz com seu corpo.

Reflections on Body Image” (“Reflexões sobre a Imagem do Corpo”, em português), divulgado em conjunto pelos deputados e pelo YMCA (Associação Cristã de Moços), revelou que a imagem corporal é a principal preocupação de um em cada cinco meninos e uma em cada três meninas de 10 anos – que afirmaram ser esta a maior causa de bullying nas escolas.

Ele indicou também que meninas tão jovens quanto cinco anos de idade já se preocupam com a aparência, enquanto taxas de cirurgias plásticas cosméticas aumentaram quase 20% no país desde 2008.

Para especialistas, o bombardeamento de imagens de corpos “perfeitos” através da mídia seria um dos principais responsáveis pela falta de autoestima na população. Eles dizem também que o ideal de beleza propagado pela mídia – com ajuda da chamada “cultura das celebridades” – só é correspondido por cerca de 5% da população.

Insatisfação com o corpo

O relatório mostrou, é um problema que afeta toda a sociedade, independentemente da idade, gênero, sexualidade, etnia, tamanho ou forma do corpo.

O problema foi identificado como fator-chave para a ocorrência de problemas de relacionamento e baixa autoestima, assim como para bloqueios na progressão escolar e no trabalho.

No entanto, os jovens e as crianças foram consideradas particularmente vulneráveis à ansiedade sobre seus corpos.

Embora as evidências sugiram que as preocupações sejam inicialmente emanadas pelos pais, no ensino secundário são os colegas de escola a maior influência.

Dietas para perda de peso são adotadas por cerca de metade das meninas e até um terço dos meninos.

Em resposta às conclusões, os membros da indústria dos dietéticos admitiram ao grupo parlamentar que as pessoas tinham “expectativas irreais” sobre perda de peso.

Os transtornos alimentares

O inquérito – que ouviu acadêmicos, instituições de caridade, peritos públicos e outros – também revelou que:

 

  • Acabar de vez com dietas pode reduzir em 70% os casos de transtornos alimentares no país
  • Mais de 95% das pessoas que fizeram dieta recuperam o peso perdido
  • 1,6 milhão de pessoas no Reino Unido convivem com transtornos alimentares
  • Até um em cada cinco pacientes de cirurgia plástica poderia sofrer de transtorno dismórfico corporal
  • Um em cada três homens admitiria sacrificar um ano de vida para alcançar o seu corpo ideal
  • Um em cada cinco pessoas foram vítimas (de bullying) por causa de seu peso.

 

 

“Insatisfação com a imagem corporal no Reino Unido chegou a seu ponto mais alto e pressão para se adequar a um ideal inatingível corpo está causando estragos na auto-estima de muitas pessoas”

Deputada Jo Swinson

 

“A
A presidente do All Party Parlamentary, deputada Jo Swinson, disse que a insatisfação com a imagem corporal no Reino Unido tinha “chegado ao ponto mais alto.”

  • Mais de 95% das pessoas que fizeram dieta recuperam o peso perdido
  • 1,6 milhão de pessoas no Reino Unido convivem com transtornos alimentares
  • Até um em cada cinco pacientes de cirurgia plástica poderia sofrer de transtorno dismórfico corporal
  • Um em cada três homens admitiria sacrificar um ano de vida para alcançar o seu corpo ideal
  • Um em cada cinco pessoas foram vítimas (de bullying) por causa de seu peso.

A chefe-executiva da YMCA, Rosi Prescott, também disse que havia algo “muito errado na sociedade quando as crianças de cinco anos de idade estão preocupados com sua aparência, com base nas mensagens que estão vendo redor delas”.

Ela acrescentou que é responsabilidade de toda a sociedade promover uma mudança coletiva quanto a imagem corporal, a fim de “evitar danos às gerações futuras”.

FONTE: BBC Brasil