O gasto com de leis de aborto “é muito alto, porque o custo é pago com vidas inocentes” (Lorde Nicholas Windsor)

Segundo o blog belga Talpa Brusseliensis (11/10/2011), Lorde Nicholas Windsor, filho caçula do duque de Kent e primo da rainha da Inglaterra, Elizabeth II, lançou uma campanha contra as “subversivas” tentativas de tornar o aborto um “direito humano”.

No dia 10 de outubro último, Lorde Windsor, que renunciou ao trono inglês ao se converter ao catolicismo, apresentou na Câmara do Lordes um documento intitulado “artigos de São José” que foi elaborado para auxiliar os políticos na defesa do “direito à vida dos nascituros”.

Preparado por 31 especialistas em direito internacional, organizações internacionais, saúde pública, ciência e medicina, o documento visa impedir que o acesso ao aborto seja considerado como direito nas leis internacionais.

Entre os signatários do texto – assinado em 25 de março deste ano em São José, Costa Rica -, há professores de direito, filósofos, parlamentares, embaixadores, advogados de direitos humanos e delegados para a Assembleia Geral da ONU.

No artigo “O mundo não têm o direito ao aborto” publicado pelo jornal britânico The Daily Telegraph, Lorde Nicholas sublinhou que o útero deve ser o lugar mais seguro para um bebê, cuja vida deve ser protegida por lei. O gasto com leis de aborto “é muito alto, porque o custo é pago com vidas inocentes”, afirmou o nobre inglês.