A revelação brasileira nos saltos ornamentais, Andressa Mendes, disse em entrevista ao Terra, que nem sabia o que era a modalidade quando começou no esporte. Ela, que também não sabia nadar, foi convidada para participar de um teste aos seis anos de idade e hoje, aos 14 anos, é considerada uma das atletas de futuro na modalidade.

Em Belém, no Sul-Americano de Desportos Aquáticos, ela ganhou dois bronzes e distribuiu simpatia aos fãs. As medalhas vão para a coleção de mais de 30, que ganhou em oito anos de competições. A carioca Andressa Mendes é o que podemos chamar de “garota sangue bom”.

Uma atleta esforçada, que concilia treinos diários com os estudos, mas leva a rotina com tranquilidade e sem cobranças. “Treino bastante durante a semana, com folga só no domingo. Estudo à noite. Só esse ano que está mais puxado porque já estou no primeiro ano do ensino médio”, comenta. Seus treinos são de cinco horas diárias.

Atleta mais jovem da delegação brasileira e que conquistou a quinta colocação no Pan-Americano em Guadalajara, no ano passado, encara com muita tranquilidade o peso que é representar seu País no esporte. “Tanto aqui como no Pan, não competi para ganhar medalha, fui tranquila, sem aquela obrigação”, comenta Mendes.

A tranquilidade pode ser um dos motivos que a ajudou em seus últimos resultados no Campeonato Sul-Americano de Desportos Aquáticos, em Belém. Andressa Mendes foi medalha de bronze na plataforma individual, com 279,90 pontos, após cinco rodadas de saltos e pela plataforma sincronizada, em dupla com Milena Canto Sae, com 222,84 pontos.

“Não reclamo de nenhum resultado porque ganhando ou perdendo, serve para o nosso aprendizado. Minha expectativa aqui (Sul-Americano) era isso, ganhar experiência”, afirma.

Num bate-papo descontraído, enquanto saboreava um picolé de chocolate – seu preferido – a jovem atleta disse que começou com balé, mas que não apreciava a dança. “Balé era muito calmo para mim. Eu gosto de coisas agitadas”, conta.

Foi em uma colônia de férias no Maracanã que ela descobriu o esporte. “Eu nem sabia o que eram saltos ornamentais, quando me convidaram para fazer um teste. Depois a treinadora explicou para os meus pais. Aceitei fazer e continuo até hoje”, conta ela que começou no esporte aos seis anos de idade, quando ainda nem sabia nadar.

Enquanto dava entrevista ela atendia os fãs, a maioria adolescentes que queriam fotos e autógrafos e foi atenciosa com todos. “É legal isso. Todo mundo me reconhece, pede autógrafo. Tem gente que me acompanha desde Guadalajara. Isso é muito gratificante”, comemora.

Agora Andressa Mendes se prepara para o Campeonato Brasileiro. “Meu objetivo agora é continuar treinando e aumentar a minha série, porque o grau de dificuldade ainda está baixo”, finaliza.

FONTE: – terra.com.br – LUCY SILVA