Um transeunte, entusiasmado com a tal “Lei da Palmada” – que nem sequer foi ainda promulgada -, quis dar voz de prisão à mãe e chamou a polícia para lavrar um BO contra ela. Logo juntou-se uma multidão em volta da mãe, da criança birrenta e do denunciante para assistir aquela cena nunca antes vista na cidade.

Após apurar o ocorrido, o povo justamente indignado, animado pelo bom-senso dado pela Lei Natural, quis, isto sim, aplicar um corretivo naquele transeunte! Não fosse a polícia chegar a tempo, teria sido esse a levar umas boas palmadas da multidão ali juntada. O sujeito metido a ensinar os outros a criar os filhos teve que afastar-se sob as vaias da multidão e protegido pela polícia.

E a mãe? Foi para casa levando o filho pelo braço que ninguém sabe educar melhor do que ela.Fonte IPCO + blogLavras Resiste,

Autor: Edson Carlos de Oliveira