Análise do Blog – Pelo que consta quem tem cargo público não pode fornecer para o governo.

E esse picareta ensaboado, Valter Araújo, cria do deputado Maurão de Carvalho, a dupla crente e quente, subiu para o primeiro time da política estadual após suas empresas nadar em dinheiro do senhor Ivo Cassol, que também ainda vai trazer mais Jornal Nacional para queimar nosso Estado.

 

A MATÉRIA

O Ministério Público de Rondônia expediu recomendação nesta sexta-feira, dia 18 de novembro, ao governador Confúcio Moura para que sejam revogados de imediato os contratos firmados com as empresas Reflexo Limpeza e Conservação LTDA., ROMAR – Prestadora de Serviços LTDA. e J.W. Consultoria, Assessoria e Construções LTDA., as quais têm como sócio administrador o presidente da Assembleia Legislativa, que está impedido de contratar com o Poder Público. A recomendação é um desdobramento da Operação Termópilas, desencadeada na manhã desta sexta-feira pelo Ministério Público em conjunto com a Polícia Federal e a Controladoria-Geral da União (CGU).

O MP recomenda ainda a imediata suspensão do pagamento de 30% dos créditos que porventura tenham as empresas Reflexo, ROMAR, J.W. Consultoria, Joplin, EMRON, Fino Sabor, MAQ, Contrat e Soluções Comércio e Serviços LTDA., sobre as quais pesam indícios de fraude na contratação e manutenção dos contratos junto ao Estado de Rondônia, devendo este percentual ser depositado em juízo.

A recomendação foi feita considerando informações colhidas em investigação em trâmite no Tribunal de Justiça de Rondônia, dando conta de atuação de organização criminosa integrada por agentes políticos e servidores públicos estaduais, bem como de empresários para obtenção de contratos com o governo do Estado, com isso obtendo vultosos recursos.

A recomendação é subscrita pelo Procurador-Geral de Justiça, Héverton Alves de Aguiar, e pelos Promotores de Justiça Eriberto Gomes Barroso, diretor do Centro de atividades Extrajudiciais (CAEX-MPRO); e Pedro Abi-Eçab e Otávio Xavier de Carvalho Júnior, do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO-MPRO).

De acordo com informações do Ministério Público do Estado de Rondônia, os promotores do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (GAECO) deram início em 2010 a uma investigação para apurar denúncias de favorecimentos em licitações na secretaria de Saúde e no Detran, além da secretaria de Justiça.

Segundo o Ministério Público, o deputado estadual Valter Araújo pressionava secretários e funcionários públicos para que empresas ligadas a ele e a de amigos fossem vencedoras em licitações para prestação de serviços e produtos para a SEJUS, SESAU e Detran. Como alguns pagamentos eram feitos com recursos do Sistema Único de Saúde o Ministério Público pediu ao Ministério da Justiça a participação da Polícia Federal, que se encarregou de ajudar nas investigações e cumprimento de mandados de prisão e buscas e apreensões.

Foram cumpridos 57 mandados de busca e apreensão, 10 mandados de prisão preventiva e 4 mandados de prisão temporária.

Segundo informações não confirmadas pela Polícia Federal foram presos Valter Araújo, Miguel Saúde Moheb, Mário André (gerente do jornal Estadão do Norte), o deputado Jean Oliveira, além de prisões de empresários na capital e interior.

 

Fonte: Rondoniaovivo

Feira , 18 de Novembro de 2011 – 12:22