Análise do blog – Antes da greve este blog já denunciava os abusos – na verdade crimes – cometidos pelo ex-reitor Januário. O impressionante é que isso aconteceu durante muitos anos e sendo uma universidade um ambiente de gente culta o que parece é que todo o seu corpo estava cego, ou cúmplice? Comparadas pelo padrão de qualidade, que aqui é baixíssimo, as universidades públicas do Brasil custam mais do que a maioria das universidades do mundo, mas pelo que ocorreu na Unir, e isso está longe de ser fato isolado, dinheiro não falta mas tem um destino podre, criminoso… enfim, roubado mesmo. Cadeia neles CGU.

A MATÉRIA –
FRAUDE IMPEDE RIOMAR DE ASSINAR CONVÊNIOS

A Fundação Rio Madeira – Riomar, organização criada para dar apoio a Universidade Federal de Rondônia – Unir, está na lista das 164 entidades privadas acusadas pela Controladoria-Geral da União (CGU) de cometer “irregularidades graves e insanáveis” na prestação de serviços a órgãos e entidades federais.

Incluída no Cadastro de Entidades Privadas sem Fins Lucrativos Impedidas (Cepim), a Riomar está proibida de assinar novos convênios ou termos de parceria com órgãos da administração pública federal, como os vários ministérios e autarquias.

Dois convênios executados pela Riomar com recursos do Governo Federal, a GCU encontrou irregularidades em dois. Um deles é o projeto de implantação de Centros Regionais de Referencia para formação permanente aos profissionais que atuam nas redes de atenção integral a saúde e assistência social de usuários de crack outras drogas e seus familiares, do Fundo Nacional Antidrogas, do Ministério da Justiça.

Também foram encontradas falhas na execução do projeto de Implantação dos Laboratórios do Curso de Engenharia Agronômica do Campus de Rolim de Moura da Unir, em convenio com o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comercio Exterior, através da Superintendência da Zona Franca de Manaus.

De acordo com a CGU, as 164 entidades vão ter que responder a Tomadas de Contas Especiais a fim de quantificar quanto cada uma terá de devolver aos cofres públicos.

Com informações da ag. brasil

Fonte: imagemnew